Classe C realiza sonho da Cirurgia Plástica

Conquista do corpo ideal já faz parte das metas de brasileiros de renda média. Com mais gente buscando este sonho, cirurgias plásticas registram aumento de 43,9% no Brasil

 

Muitos são os sonhos da chamada classe C brasileira. Sonho da casa própria, do carro, do casamento ou aquela viagem especial. Porém, outro elemento vem cada vez mais fazendo a cabeça e corpo de homens e mulheres: o sonho da cirurgia plástica. Com a ascensão econômica dos últimos anos e a maior facilidade na obtenção de crédito, cada vez mais pessoas reservam aquele dinheirinho para a conquista do almejado corpo ideal.

 

É o caso da estudante Ingrid Maira Clemente, que mantinha este desejo desde o início da adolescência e hoje, aos 22 anos, dividiu o pagamento em 12 vezes, passou por uma série de procedimentos e finalmente tornou seu sonho em realidade. “Muita gente tinha sonho de comprar carro e casa, eu não. Meu sonho era fazer uma cirurgia plástica. Sempre fui um pouco gordinha, aí quando tive condições, operei. Fiz logo três procedimentos de uma vez. Fiz lipoaspiração, abdominoplastia e ainda aproveitei para colocar silicone nos peitos”, comenta satisfeita a estudante.

 

Histórias como a de Ingrid são cada vez mais comuns. Isso porque o Brasil ocupa a segunda posição no ranking mundial em número de procedimentos, como mostra levantamento feito pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), em parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Durante o ano passado foram realizadas mais de 900 mil operações no país. O Brasil só perde para os Estados Unidos que registrou 1,1 milhão de procedimentos no mesmo período.

 

A pesquisa ainda aponta que, entre 2008 e 2011, o Brasil registrou aumento de 43,9% na procura por cirurgias plásticas. Este crescimento na busca por procedimentos no país é atribuído, principalmente, à mudança econômica que ocorre no Brasil e que já inseriu na chamada classe C mais de 90 milhões de pessoas, potenciais consumidores de cirurgias plásticas. O Brasil também ocupa as primeiras posições no ranking em proporção de cirurgias plásticas por pessoa. O país fica na terceira posição com 4,6 procedimentos por cada grupo de mil habitantes.

 

Embora a Itália e a Coreia do Sul ocupem as primeiras colocações em termos de cirurgias por mil habitantes, com 5,2 e 5,1, respectivamente, proporcionalmente, os dados do Brasil têm mais importância porque, no cômputo geral, o número de cirurgias plásticas brasileiras representa quase três vezes o da Itália (316,5 mil) e quase quatro vezes o da Coreia do Sul (258,3 mil).

 

De acordo com o cirurgião plástico Rodrigo Antoniassi, esse ritmo de crescimento também é sentido em Rio Preto. “A procura tem se intensificado cada vez mais. Aqui no consultório registramos nos últimos anos um crescimento de mais de 40% na procura pelos procedimentos. Destaque para o público masculino que hoje já representam algo em tono de 30% dos pacientes”, informa o médico.

O cirurgião plástico ainda destaca as cirurgias plásticas mais procuradas. “A lipoaspiração e a prótese de silicone lideram a procura, são as principais escolha das mulheres”, comenta Antoniassi. O médico também aponta que há uma tendência de seios maiores entre as brasileiras. “Antigamente a procura era por próteses na média de 175ml. Hoje, a média gira em torno de 260 ml. Porém é preciso levar em conta as medidas da mulher para a prótese não ficar desproporcional ao corpo”, finaliza o cirurgião plástico.

 

Cirurgias plásticas mais procuradas no Brasil

1º - Lipoaspiração

2º - Implante de prótese nas mamas (Silicone no peito)

3º - Abddominoplastia (redução da barriga)

4º - Blefaroplastia (correção das pálpebras)

5º - Rinoplastia (cirurgia de nariz)

6º - Implante de próteses de glúteos (Silicone no bumbum)

 

Fonte: Assessoria de Imprensa (Ética Comunicação)