Otoplastia

Má formação das orelhas gera desconforto e constrangimento para muitas pessoas. Ocasionada por fatores naturais, a “orelha de abano” é o tipo de deformidade mais conhecida: a lateral da orelha apresenta-se mais distante da cabeça. Fatores como anomalias de crescimento e deformidades adquiridas por traumas também influenciam na formação das orelhas.


A otoplastia é a cirurgia plástica indicada para promover o equilíbrio do desenho da orelha com os traços da face. O procedimento é simples e pode ser feito a partir dos 6 anos, idade em que a criança começa a frequentar à escola e está mais sujeita a constrangimentos.


A cirurgia busca dar novo formato para a dobra interna da orelha (anti-hélice), que geralmente inexiste em casos de “orelha de abano”, diminuindo a distância entre a face posterior da orelha e da cabeça.


Na maioria dos procedimentos o paciente é liberado no mesmo dia, sendo o resultado definitivo alcançado após seis meses. É fundamental evitar traumas na região operada. Pessoas com cabelos compridos necessariamente não precisam cortá-los para fazer a cirurgia, pois eles ajudaram a “disfarçar” as orelhas na fase inicial do pós-operatório.



Dicas e Recomendações


Procedimento
A otoplastia é uma cirurgia simples em relação a outros procedimentos. Dura em média 90 minutos e o paciente pode receber alta no mesmo dia. A anestesia mais comum é a local com sedação. No caso de crianças, recorre-se à anestesia geral. O corte para a cirurgia é realizado no sulco entre a orelha e a face, sendo que sua extensão varia conforme a deformidade apresentada. É muito importante que o paciente lave os cabelos um dia antes da cirurgia, pois levará alguns dias para poder lavá-los novamente.


Contraindicação
A cirurgia não poderá ser realizada se o paciente estiver com suspeita de gripe ou algum tipo de infecção. Caso o paciente faça uso de remédio à base de ácido acetilsalicílico deve suspender a medicação pelo menos 20 dias antes da cirurgia.


Pós-operatório
A dor é moderada no pós-operatório da otoplastia, sendo facilmente contornada com o uso de analgésico. Inchaço e roxidão são comuns no primeiro mês, mas já é possível conferir o novo formato dado às orelhas.


Curativos devem ser usados para proteger a cicatriz durante as primeiras semanas (touca ou faixa protetora). As orelhas precisam ser protegidas durante o sono e o paciente deve evitar traumas na região até o segundo mês.


As atividades cotidianas poderão ser retomadas a partir do terceiro dia depois da cirurgia. O intervalo nas atividades esportivas é de um mês e a retomada deve ser gradativa, evitando-se principalmente esportes de contato.


Cicatrização
A cicatriz da cirurgia é discreta. Localiza-se no sulco formado entre a orelha e a cabeça. Os riscos de quelóides em pacientes com predisposição são mínimos, pois se trata de uma área de pele muito fina.


Complicações
As complicações não são comuns na otoplastia, mas podem ocorrer em casos extremos hematoma, infecção, abertura de pontos e problemas anestésicos.

 

© 2013 www.rodrigoantoniassi.com.br. Todos direitos reservados.