Toxina Botulínica

A toxina botulínica tipo A, popularmente conhecida como botox, é um potente paralisante muscular que revolucionou o campo da medicina estética e ainda tem mostrado eficácia no tratamento de inúmeros problemas de saúde.


Na medicina estética, ela é indicada para atenuar rugas, linhas de expressão e “pés de galinha”, que são marcas diretamente ligadas à movimentação da musculatura facial. Ao ser aplicada nas diferentes regiões da face, a toxina botulínica impede a transmissão do impulso elétrico entre o nervo e o músculo.


A aplicação é rápida, em média cinco minutos, e o procedimento é realizado com injeção de agulha extremamente fina, proporcionando pouca dor.


A paralisação do músculo onde a substância é aplicada ocorre após 48 horas, no entanto, se mantém por seis meses sem fazer com que o paciente perca a expressividade facial. Com o passar do tempo, o músculo volta a receber impulsos elétricos do nervo, configurando-se em novos quadros de rugas.


As contraindicações são poucas. Estão ligadas a doenças neurológicas, a alergias à substância, à gravidez e ao uso de algum medicamento antibiótico.


A toxina botulínica do tipo A é produzida pela bactéria Cloristridium botulinum, a mesma que provoca a doença do botulismo. Seu uso terapêutico começou após a Segunda Guerra Mundial, nos Estados Unidos.


Ao testar a substância na correção do estrabismo, o oftalmologista Alan Scott observou que a toxina paralisava alguns músculos do rosto. A partir de 1970, o FDA (Food and Drug Administration), órgão que regulamenta alimentos e medicamentos nos EUA, liberou seu uso experimental para um grupo de pesquisadores orientados por Scott, que comprovou a eficácia do produto em animais. Em 1978, foi aplicada em humanos e, em 1989, saiu o primeiro estudo demonstrando bons resultados no tratamento de blefaroespasmos.


No Brasil, a Anvisa autorizou a toxina botulínica para pesquisas em 1992, sendo que a liberação para venda comercial ocorreu em 2000.


Botox, como é popularmente chamada, é a marca do laboratório norte-americano Allergan. No entanto, a mesma toxina é fabricada por outros laboratórios do mundo.


Dicas e Recomendações


• Logo após a aplicação de Botox®, recomenda-se não massagear a região tratada para que não ocorra difusão(migração) doproduto para áreas não desejadas


• Recomenda-se evitar a prática de exercícios físicos por 48 horas após a aplicação de Botox. A realização de movimentos bruscos pode provocar a migração da toxina para músculos onde o relaxamento não é desejado, podendo desencadear uma reação adversa, como por exemplo ptose palpebral(queda de sobrancelha).


• Recomenda-se evitar viagens aéreas imediatamente após a aplicação de Botox pois a alteração de pressão-ambiente pode provocar a migração da toxina para áreas não desejadas.


• Caso a aplicação tenha ocorrido em áreas compostas por pequenos músculos, como por exemplo, o orbicular dos olhos no tratamento dos pés de galinha, recomenda-se manter-se na posição vertical e não deitar-se durante as primeiras 4 horas após a aplicação, pelo mesmo motivo citado nos ítens acima.


• Nota-se um pequeno halo de vermelhidão e inchaço ao redor dos pontos de aplicação logo após a realização de procedimentos com Botox. Esta é uma reação normal do organismo que desaparecerá em aproximadamente 5 horas.


• Caso você esteja fazendo uso de aspirina ou medicamento similar, é provável o surgimento de hematoma após a aplicação de Botox. Neste caso, é importante e recomendável notificar o seu médico sobre o uso destas medicações antes da realização do procedimento.


• Sensações como dores de cabeça ou dores locais também podem ocorrer após a aplicação de Botox. Isto é comum e resultado da tensão ocorrida durante a realização do procedimento. Estes sintomas devem desaparecer em no máximo 24 horas.


• Caso a ocorrência de qualquer sintoma acima descrito persista, imediatamente contate seu médico e informe-o minuciosamente sobre as reações ocorridas e as medidas até então adotadas.

 

 

© 2013 www.rodrigoantoniassi.com.br. Todos direitos reservados.